Informativos

Desafios e superação

marcam uma história de 40 anos

      Referência nacional, a funerária Paz Universal completou em 2018 40 anos de existência. Ao longo de uma trajetória marcada pela inovação no segmento de serviços póstumos, o Grupo, presente em 11 cidades e responsável pela cobertura em mais de 90 municípios no eixo Goiás-Triângulo Mineiro, abriu suas portas no dia 14 de junho de 1978, inicialmente como Pax de Goiás, nome logo substituído por Pax Universal, dando amplitude à marca. A conquista da sede própria aconteceu no início da década de 80, quando a então Pax Universal começou a investir não apenas em infraestrutura, mas também em novos conceitos de gestão. Em 1987, o termo em latim “Pax” foi traduzido, nascendo assim a Paz Universal, marca que expressa a filosofia da empresa, sempre prezando pelo cuidado e dedicação aos clientes que encontram, na Paz Universal, apoio e segurança em uma das horas mais difíceis de suas vidas.

CRESCIMENTO

O grande passo aconteceu em 1996 com o projeto de expansão. Primeiramente com a ampliação da sede, com estrutura diferenciada e moderna, que, além de integrar todos os departamentos da empresa, passa a oferecer um conjunto de serviços, tais como salas de homenagens e laboratório de tanatopraxia (preparação de corpos). Nos anos seguintes, a expansão continua com a instalação de novas unidades da funerária no interior de Goiás e em Uberlândia, Minas Gerais.

A MARCA

Um acróstico com a palavra Pax foi a primeira representação gráfica da marca da empresa. Ainda em preto e branco, a cruz demonstrava uma forte influência religiosa e a ausência de cor evidenciava a realidade de um segmento cheio de preconceitos. Com o passar dos anos, aquela logomarca ganhou cores douradas. Mas foi em 1983 que houve uma grande mudança. Surgiram os primeiros traços da marca atual, representada por três elipses que simbolizam o infinito e a dualidade vida e morte, subjetivamente percebidas na simetria. Na ocasião, foi inserida na marca a palavra “universal”, evidenciando a abrangência almejada. Em 1997, a marca passou por mais uma atualização, alterando a tipologia e as cores, que passam a ser azul e laranja.

A EMPREENDEDORA

Hoje, o Grupo Paz Universal destaca-se como um dos melhores do segmento no País, inclusive certificado pelo Governo Federal. Tudo isso é fruto de uma história de superação atrelada à de sua fundadora, Maria Helena Rodrigues. “Antes de iniciar a Paz Universal, trabalhei em um escritório e cheguei a me dividir entre três empregos. Enfrentei muitos desafios. Antes não havia o suporte que temos hoje para a estruturação de um negócio”, relata. Do que viveu, Maria Helena resgatou os aspectos positivos e fundou uma empresa de serviço funerário com um novo conceito. Com o início marcado pela ausência de recursos e raras condições para a compra de equipamentos e manutenção de serviços de importância imediata, os esforços foram grandes. Ela diz que chegou a usar todas as economias, acumuladas ao longo de mais de uma década, visando o desenvolvimento de seu empreendimento. Munida de um senso de resiliência ímpar, vendeu a própria casa e investiu o dinheiro na empresa que abria. “Era um período conturbado em que mulheres não se sobressaiam em quase nada. Quem suportasse um desafio da magnitude do que eu enfrentei não era bem vista. Éramos tratadas com arrogância, prepotência. Mas sempre acreditei muito no meu potencial e fui motivada a seguir”, recorda. Não se intimidava em assumir várias funções dentro do empreendimento. “Cheguei a exercer múltiplas responsabilidades. Fui plantonista, vendedora, cobradora, agente funerária. Fiz estes papéis por cerca de três anos”, relembra.

HOJE

Dona de um programa de benefícios que oferece aos seus associados o que há de mais amplo em serviços funerários no Brasil, a Paz Universal conta com um conjunto de ações que assegura a plenitude dos serviços prestados. Frente a uma equipe de colaboradores competentes, Maria Helena atribui o sucesso de seu empreendimento à importância de caminhar com esperança e fé e com o olhar fixo em novos horizontes.

FAMÍLIA

Maria Helena garante que o apoio da família foi imprescindível. “Meu pai foi quem me deu o maior apoio. Ele morava no fundo da empresa e ficava com um bip, aparelho comum à época. Como não tínhamos telefone fixo, quando acontecia algo à noite, ele me acionava e eu ia para a empresa fazer os atendimentos”. Impulsionada por um desejo de fazer com que as coisas dessem certo, ela diz que a perseverança e a crença na colheita de bons frutos foram os aspectos que mais a motivaram. “Eu tinha uma semente e precisava fazê-la germinar”. Para tanto, o pensamento no futuro da filha foi o que deu coragem para seguir acreditando no sucesso da Paz Universal. “Assim pude tocar as coisas, pensando nela. Jamais pensei em desistir. Sabia que precisava alavancar tudo isso para conseguir garantir o bem-estar dela. Era algo fundamental e isso me deu muita força”, conta Maria Helena. Ao olhar para trás e perceber como seu projeto deu certo, a empresária é incisiva. “Valeu à pena. Se você semeia a semente do bem, você não colhe o mal. Venci!”, comemora.



PAZ UNIVERSAL - SERVIÇOS PÓSTUMOS